A caótica situação do País leva, consequentemente, a cobranças dos mais variados setores da vida nacional. Todos, evidentemente, querem de alguma forma que o governo supere a crise política, econômica e financeira do Brasil. Todos cobram soluções e criticam, sempre, a falta de providência que o governo devia ou deveria tomar, mas quem cobra quase sempre ou nunca aponta soluções.

São cobranças para que caminhos ou soluções sejam encontrados. São demandas justas, porque se espera do governo alguma medida para superar a crise que vivemos.

Mas medidas governamentais não são tomadas sem consequências. Governo nenhum produz soluções razoáveis para todos. Ao contrário, governos produzem somente impostos e problemas para a cidadania, de um modo geral, quando devia ser o contrário, já que os serviços públicos, os transpores, a saúde e todos os setores nos quais o governo deve e tem de atuar como órgão regulador são sofríveis.

A recente paralização dos caminhoneiros é uma demonstração clara da ineficiência do governo de analisar e prever consequências. Havia a sinalização de que esse setor estava preparando a greve que acabou por acontecer mas o governo e seus setores de inteligência, por desleixo ou por não acreditar que fosse acontecer o que aconteceu, ficou inerte e só depois do ´susto´ e de perceber o tamanho da ´encrenca´ arranjada foi que saiu a campo para tentar contornar uma situação que, com alguma medida ou com algum diálogo, podia ter redirecionado todos os transtornos e prejuízos resultantes dos acontecimentos que vivenciamos e ainda teremos de superar.

Os sábios que habitam os gabinetes acarpetados e climatizados do Planalto, ao que parece, vivem numa outra dimensão, aquela que tudo parece que não vai acontecer ou que nunca tem possibilidade de acontecer para eles e para o País. A falta de contato com a realidade vivida pela população, que sofre todo dia com a ineficiência governamental em todos os setores da vida nacional e que todo fim de mês tem contas a pagar, é um claro produto da ocupação das instituições governamentais pela classe política que só se preocupa com o próximo mandato. Isso traduz bem de perto os argumentos que os ministros e outros dirigentes governamentais têm produzido nestes últimos dias e que são divulgados pela mídia.

Numa reportagem do O Globo de 01.06.2018 consta que o ministro Eliseu Padilha, da Casa Civil da Presidência da República, teria afirmado que o governo federal fez “um sacrifício muito grande” para bancar o subsídio ao preço do diesel. A reportagem prossegue dizendo que ao ministro ´faltou dizer que boa parte deste sacrifício será empurrada aos mais pobres, que vão sofrer com os cortes em programas sociais´.

Essa mesma reportagem ainda registra que a equipe econômica cancelou despesas governamentais de mais de R$ 1,2 bilhão e que a tesoura atingirá o orçamento federal para áreas como saúde, educação, saneamento e habitação popular e que os cortes foram detalhados em 36 páginas de uma edição extra do “Diário Oficial da União”.

E acrescenta: ´´Só o Ministério da Saúde vai perder R$ 160 milhões. Serão afetados os hospitais universitários, o atendimento às populações indígenas e a Rede Cegonha, que acompanha as gestantes.

O governo também voltará a tirar dinheiro de vitrines da gestão petista, como o Farmácia Popular e o Mais Médicos. Os dois programas, que já foram achatados na gestão Michel Temer, vão sofrer novos cortes de R$ 45 milhões.

Na Educação, os alvos da tesoura serão os estudantes pobres que recebem bolsas no ensino superior. Na Integração Nacional, programas de segurança alimentar, de obras contra as secas e de saneamento em comunidades ribeirinhas.

Outros cortes parecem atender ao lobby ruralista, que exerce cada vez mais influência no Planalto. A reforma agrária perderá R$ 30,7 milhões no Orçamento. As ações de demarcação e proteção de terras indígenas, outros R$ 625 mil.

Até o Criança Feliz, um dos poucos programas sociais lançados na era Temer, sofrerá corte de R$ 3,9 milhões. A marca foi associada à primeira-dama, mas não reduziu a impopularidade presidencial.

O governo decidiu tirar do social para não mexer na política de preços da Petrobras. Isso significa que a blindagem de Pedro Parente continua intacta, mesmo depois de uma greve provocada por sucessivos aumentos nos combustíveis.

Os números do “Diário Oficial” também mostram que o Planalto ignorou outras lições da crise. Para cobrir o subsídio do diesel, serão cortados mais de R$ 8 milhões em investimentos no transporte ferroviário e aquaviário. Essas verbas ajudariam a

reduzir nossa dependência das rodovias — e o risco de um novo colapso quando os caminhoneiros voltarem a parar´´.

Por aí se vê que não há saída sem soluções, principalmente aquela solução que resulta em pagar a conta dos erros dos outros, dos nossos governantes.

Nosso sistema político permite que a cada ciclo eleitoral é possível redirecionar nossas demandas, nossas expectativas de governo e de administração elegendo nossos representantes nos governos da República, dos Estados e dos Municípios. Mas também, quase sempre, é bem verdade que contribuímos por deixar que políticos que não cumprem o que prometem voltem à ribalta política e lá continuem a perpetuar seus comportamentos que nunca representam, verdadeiramente, os anseios da cidadania.

Fazemos parte da crise e das soluções e por isto que é preciso, agora, mais do que nunca, termos a capacidade de compreender que para que haja cobrança e soluções é necessário também dar nossa contribuição para evitar que esse modelo ruim de administração política perdure, elegendo pessoas realmente comprometidas com mudanças e com políticas que atendam os anseios da sociedade, de um modo geral. Se não formos capazes de compreender que a superação dos problemas que vivemos passa por cada um de nós, teremos de compreender, também, que esse modelo político-administrativo do País vai continuar sendo tudo alquilo que podemos termos para nós e para as gerações futuras, até que algum dia apareça pessoas mais resolvidas para mudar, pelo convencimento popular, essas experiências ruinosas que hoje tiram nosso sono e nossa expectativa de termos um país previsível e que atenda aos anseios da grande maioria da população.

Guilherme Silvério de Araújo jr. é advogado em Goianésia.

0
0
0
s2sdefault

O título e a matéria abaixo foram extraídos do Jornal Folha de São Paulo (11/12/2017).

Antes, porém, faço algumas considerações sobre o que li.

As mídias sociais hoje imperam no dia-a-dia das pessoas, que por elas guiam seus passos, seus pensamentos e tiram suas conclusões sobre variados temas do cotidiano.

A conversa pessoal, o pensamento congruente, a análise de determinado tema ou fato ou a opinião balizada de algo está deixando levar-se pelo ´mimimi´, daquilo que ´vi na TV´ou nas redes sociais de comunicação pela web.

Estamos deixando de filosofar, ainda que nossa filosofia seja a das pessoas comuns, a filosofia praticada diariamente no sentido de não mais termos tempo para aquela boa conversa que há algum tempo tínhamos em família, entre os amigos, com os vizinhos, nas mesas de boteco.

Passamos, com a internet e com o ´olho grudado´ no celular – a expressão olho grudado´ é puro goianês -, a ter opinião sobre tudo, mas, como dizia Raulzito Seixas, por conta dessa vida digital louca de hoje, não somos mais capazes ou não mais conseguimos ser ´aquela metamorfose ambulante´, no sentido de que sempre estávamos procurando mudanças, algo novo, para mudar e fazer a vida melhorar.

Viver é preciso. Filosofar – poeticamente -, mais ainda!

Assim diria Fernando Pessoa: ´´Valeu a pena? Tudo vale a pena Se a alma não é pequena. Quem quer passar além do Bojador Tem que passar além da dor. Deus ao mar o perigo e o abismo deu, Mas nele é que espelhou o céu´´.

Segue a matéria da Folha de São Paulo com o filósofo Mário Sérgio Cortella.

´´O filósofo Mario Sergio Cortella comenta, em entrevista à DW Brasil, a cultura do ódio que se disseminou pelo país. Para o escritor, na internet todos têm uma opinião, mas poucos têm fundamentos para ancorá-la.

A instantaneidade e conectividade das mídias sociais fomentam um ambiente hostil em que todos têm "alguma opinião sobre algo, mas poucos têm fundamentos refletidos e ponderados para iluminar as opiniões", diz o filósofo e professor universitário Mario Sergio Cortella, em entrevista à DW Brasil.

Cortella é uma figura influente na sociedade brasileira como palestrante, debatedor e comentarista de rádio. Com mais de um milhão de livros vendidos entre seus 33 títulos lançados, Cortella traduz à linguagem coloquial e adapta à realidade atual do Brasil complexos temas filosóficos, existenciais e políticos como "se você não existisse, que falta faria?" ou "o caos político brasileiro".

Nesta entrevista, ele analisa como a cultura do ódio é alimentada por "analfabetos políticos".

DW Brasil - Etimologicamente, a palavra "cultura" (culturae, em latim) originou-se a partir de outro termo, colere, que indica o ato de "cultivar". Podemos considerar que a "cultura do ódio", que se vê eclodir na sociedade brasileira, é algo que já estava presente nas relações sociais, vem sendo cultivado e agora encontrou o tempo ideal para a "colheita"?

Mario Sergio Cortella - O ódio é uma possibilidade latente, mas não é obrigatório. Contudo, não havia tanta profusão de ferramentas e plataformas para que fosse manifestado e ampliado como nos tempos atuais no Brasil. A instantaneidade e a conectividade digital permitiram que um ambiente reciprocamente hostil - como o da fratura de posturas nas eleições gerais do final de 2014 - encontrasse um meio de expressão mais veloz e disponível, sem restrição quase de uso e permitindo que tudo o que estava aprisionado no campo do indivíduo revoltado pudesse emergir como expressão de discordância virulenta e de vingança repressiva.

Qual o papel das redes sociais nesse fenômeno? Você concorda com Umberto Eco, para quem as mídias sociais deram o direito à fala a legiões de imbecis?

As mídias sociais favoreceram, sim, o despontar de um palanque também para a imbecilidade e a idiotia. Antes delas, era preciso, para se manifestar, algum poder mais presente ou a disponibilidade de uma tribuna mais socialmente evidente. Agora, como efeito colateral da democratização da comunicação, temos o adensamento da comunicação superficial, na qual todos têm (e podem empresar) alguma opinião sobre algo, mas poucos têm fundamentos refletidos e ponderados para iluminar as opiniões. Como dizia Hegel: "quem exagera o argumento, prejudica a causa".

Por que pensar e se expressar de forma distinta daquilo "com o que eu concordo" passou a ser o estopim para reações de ódio exacerbado no Brasil?

Uma sociedade antes fragmentada concentrou-se em ser mais dividida. Isto é, dois lados em confronto, agora dispondo de arsenais mais contundentes de propagação e, por outro lado, vitimadas por poderes comunicacionais dos quais desconhece a face e o interesse. O salvacionismo moral sugerido por alguns em meio a uma crise de valores republicanos e à degradação econômica encontrou fácil disseminação. Como se diz em português: "para quem está com o martelo na mão, tudo é prego...".

Como explicar casos de "cidadãos de bem" sendo atores de ações de censura, de extrema intolerância e violência, verbal e física, contra outros cidadãos, igualmente "de bem"?

O "cidadão de bem", entendido como aquele que não faz o que faz por maldade, é a encarnação do que Bertolt Brecht chamava de "analfabeto político". Isto é, alguém que, portador de boas intenções, age em consonância desconhecida com as más intenções de quem almeja uma situação disruptiva e oportunista.

Quem se beneficia dessa explosão de ódio?

Todos os "liberticidas" e todos os "democracidas" são herdeiros dessa seara incendiadora que exclui o conflito (divergência de ideias ou posturas) e alimenta o confronto (busca de anulação do divergente).

Aonde essa cultura do ódio e intolerância no país pode nos conduzir? Tempos sombrios estão por vir?

Tempos sombrios podem vir, sempre. Contudo, podem ser evitados se houver uma aliança autêntica em meio às diferenças entre aqueles e aquelas que recusam a brutalidade simbólica e física como instrumento de convivência. Não há um caminho único para o futuro. Não há a impossibilidade de esse caminho parecer único. Não há inevitabilidade de que um caminho único venha.

Até nos tempos mais sombrios temos o direito de ver alguma luz", disse a filósofa alemã Hanna Arendt. Qual seria a luz para começar a responder a essa cultura do ódio?

A luz mais forte é a da resistência organizada e persistente de quem deseja escapar das trevas e não quer fazê-lo sozinha, nem excluir pessoas e muito menos admitir que impere o malévolo princípio de "cada um por si e Deus por todos". Seria praticando cotidianamente o "um por todos e todos por um". Afinal, como dizia Mahatma Ghandi, "olho por olho, uma hora acabamos todos cegos".

Guilherme Silvério de Araújo jr., é advogado em Goianésia.

0
0
0
s2sdefault

Ainda outro dia, revisitando alguns textos antigos que havia guardado deparei-me com uma publicação instigante do jornalista Arnaldo Jabor feita em 28.10.2014 no JORNAL O TEMPO/BELO HORIZONTE-MG.

Nessa referida publicação Arnaldo Jabor, com seu indiscutível poder de síntese, escreve sobre a burrice e a ignorância.

Indicada a fonte, republico o que ele escreveu.

´´A burrice é diferente da ignorância. A ignorância é o desconhecimento dos fatos e das possibilidades. A burrice é uma forca da natureza (Nelson Rodrigues).

A ignorância quer aprender. A burrice acha que já sabe. A burrice, antes de tudo, é uma couraça. A burrice é um mecanismo de defesa. O burro detesta a dúvida e se fecha.

O ignorante se abre, e o burro esperto aproveita. A ignorância do povo brasileiro foi planejada desde a Colônia. Até o século XIX era proibido publicar livros sem licença da Igreja ou do governo.

A burrice tem avançado muito; a burrice ganhou status de sabedoria, porque, com o mundo muito complexo, os burros anseiam por um simplismo salvador. Os grandes burros têm uma confiança em si que os ignorantes não têm. Os ignorantes, coitados, são trêmulos, nervosos, humildemente obedecem a ordens, porque pensam que são burros, mas não são; se bem que os burros de carteirinha estimulam esse complexo de inferioridade.

A ignorância é muito lucrativa para os burros poderosos. Os burros são potentes, militantes, têm fé em si mesmos e têm a ousadia que os inteligentes não têm. Na percentagem de cérebros, eles têm uma grande parcela na liderança do país. No caso da política, a ignorância forma um contingente imenso de eleitores, e sua ignorância é cultivada como flores preciosas pelos donos do poder. Quanto mais ignorantes melhor. Já pensaram se a ignorância diminuísse, se os ignorantes fossem educados? Que fariam os senhores feudais do Nordeste em cidades tomadas como Murici ou o município rebatizado de Governador Edison Lobão, antiga Ribeirãozinho? A ignorância do povo é um tesouro; lá, são recrutados os utilíssimos “laranjas” para a boa circulação das verbas tiradas dos fundos de pensão e empresas públicas.

Como é o “design” da burrice? A burrice é o bloqueio de qualquer dúvida de fora para dentro, é uma escuridão interna desejada, é o ódio a qualquer diferença, a qualquer luz que possa clarear a deliciosa sombra onde vivem. O burro é sempre igual a si mesmo, a burrice é eterna como a pedra da Gávea (NR). De certa forma eu invejo os burros. Como é seu mundo? Seu mundo é doce e uno, é uma coisa só. O burro sofre menos, encastela-se numa só ideia e fica ali, no conforto, feliz com suas certezas. O burro é mais feliz.

A burrice não é democrática, porque a democracia tem vozes divergentes, instila dúvidas, e o burro não tem ouvidos. O verdadeiro burro é surdo. E autoritário: quer enfiar burrices à força na cabeça dos ignorantes. O sujeito pode ser culto e burro. Quantos filósofos sabem tudo de Hegel ou Espinoza e são bestas quadradas? Seu mundo tem três ou quatro verdades que ele chupa como picolés. O burro dorme bem e não tem inveja do inteligente, porque ele “é” o inteligente. Mesmo inconscientemente, aqui e lá fora, a sociedade está faminta de algum tipo de autoritarismo. A democracia é mais lenta que regimes autoritários. Sente-se um vazio com a democracia – ela decepciona um pouco as massas. Assim, apelos populistas, a invenção de “inimigos” do povo, divisão entre “bons” e “maus” surte efeito. Surge na política a restauração alegre da burrice. Isso é internacional. Bush se orgulhava de sua burrice. Uma vez ele disse em Yale: “Eu sou a prova de que os maus estudantes podem ser presidentes dos EUA”. E aí, invadiu o Iraque e escangalhou o Ocidente. E está impune, quando deveria estar em cana perpétua. Aqui, também assistimos à vitória da testa curta, o triunfo das toupeiras.

O bom asno é sempre bem-vindo, enquanto o “pernóstico” inteligente é olhado de esguelha. A burrice organiza o mundo: princípio, meio e fim. A burrice dá mais ibope, é mais fácil de entender. A burrice dá mais dinheiro; é mais “comercial”.

Em nossa cultura, achamos que há algo de sagrado na ignorância dos pobres, uma “sabedoria” que pode desmascarar a mentira “inteligente” do mundo. Só os pobres de espírito verão a Deus, reza nossa tradição. Existe na base do populismo brasileiro uma crença lusitana, contrarreformista, de que a pobreza é a moradia da verdade.

No Brasil, há uma grande fome de “regressismo,” de voltar para a “taba” ou para o casebre com farinha, paçoca e violinha. E daí viria a solidariedade, a paz, num doce rebanho político que deteria a marcha das coisas do mundo, do mercado voraz, das pestes e, claro, dos “canalhas” neoliberais. É a utopia de cabeça para baixo, o culto populista da marcha à ré.

Nosso grande crítico literário Agripino Grieco tinha frases perfeitas sobre os burros. “A burrice é contagiosa; o talento, não” ou “Para os burros, o ‘etc’ é uma comodidade...” ou “Ele não tem ouvidos, tem orelhas e dava a impressão de tornar inteligente todos os que se avizinhavam dele”, “Passou a vida correndo atrás de uma

ideia, mas não conseguiu alcançá-la”, “Ele é mais mentiroso que elogio de epitáfio”, “No dia em que ele tiver uma ideia, morrerá de apoplexia fulminante”.

Vi na TV um daqueles bispos de Jesus, de terno e gravata, clamando para uma multidão de fiéis: “Não tenham pensamentos livres; o diabo é que os inventa!” Entendi que a liberdade é uma tortura para desamparados. Inteligência é chata; traz angústia, com seus labirintos. Inteligência nos desorganiza; burrice consola. A burrice é a ignorância ativa, é a ignorância com fome de sentido.

Nosso futuro será pautado pelos burros espertos, manipulando os pobres ignorantes. Nosso futuro está sendo determinado pelos burros da elite intelectual numa fervorosa aliança com os analfabetos.

Como disse acima, a liberdade é chata, dá angústia. A burrice tem a “vantagem” de “explicar” o mundo. O diabo é que a burrice no poder chama-se “fascismo”- ´´.

E digo eu, em acréscimo a tudo o que foi dito por Arnaldo Jabor nesse texto instigante: 2018 se avizinha e novamente nosso futuro próximo para mais 4 anos de (des) governo será pautado pelos burros espertos manipulando os pobres ignorantes. Que Deus tenha piedade e proteja o povo brasileiro!

Guilherme Silvério de Araújo jr. é advogado em Goianésia.

0
0
0
s2sdefault

Últimas Notícias

O hexa ainda está longe!

O hexa ainda está longe!

20.06.18

Guilherme Silvério de Araújo Júnior Lendo em VEJA on line no blog do jornalista RICARDO NOBLAT as ´.

Venha para a Vivenda Materiais de Construção!

Venha para a Vivenda Materiais de Construção!

20.06.18

A Vivenda Materiais de Construção está há 21 anos no mercado de materiais de construção em Goianési.

Caiado reúne lideranças políticas em Goianésia

Caiado reúne lideranças políticas em Goianésia

13.06.18

Visando as eleições estaduais para o Governo do Estado, o senador Ronaldo Caiado realizou encontro.

Filme conta a história do mítico médium goiano João de Deus

Filme conta a história do mítico médium goiano João de.

04.06.18

Documentário conta a história do médium João de Deus. Goiânia - João é de Deus e durante boa parte d.

Sedentarismo atinge quase metade dos brasileiros; saiba como evitar

Sedentarismo atinge quase metade dos brasileiros; saiba como evitar

04.06.18

Goiânia - Considerado a doença do século, o sedentarismo e pode causar diversos problemas de saúde,.